11 maio 2017

Parabéns ao professor Vlaudimir Salvador que fez o convite e tornou possível este momento com alunas e alunos de jornalismo da UNICAP a discussão acumulada de alguns anos de luta por respeito na mídia para as religiões de matriz africana e indígena.



Fotos de Vlaudimir Salvador.

Foi muito bom poder compartilhar com alunas e alunos de jornalismo da UNICAP a discussão acumulada de alguns anos de luta por respeito na mídia para as religiões de matriz africana e indígena.

A aula foi super participativa e teve excelentes intervenções dos participantes. Foi uma tarde rica de troca de saberes.

Parabéns ao professor Vlaudimir Salvador que fez o convite e tornou possível este momento. Compreendo que este é meu papel, ser professor e atender as demandas de formação qualificada de interessados em desconstruir o racismo e ampliar sua auto criticidade.


Sigamos firmes. Foi massa debater a postura da mídia pernambucana perante o povo de terreiro, sobre tudo a partir do caso emblemático do Brejo da Madre de Deus, onde houveram sete terreiros destruídos pela população manipulada pelas terríveis manchetes dos jornais e pelos programas sensacionalistas como o de Cardinot etc.

O Estado pernambucano ainda não tomou nenhuma posição desde 2012. Fato assombroso e absurdo que auto denuncia o racismo institucional das gestões governamentais e suas omissões perante nosso povo.

Outras aulas virão. Vamos em frente. Sobô Nirê Mafá!

L'Omi.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins