30 dezembro 2015

Confirmada a programação do Cortejo da Mãe Iiemanjá na cidade de Areia Branca - R/N


29 dezembro 2015

O babalorixá Noamã Pinheiro da Casa de Cultura de Matriz Africana Ile Ase Dajó Ìyá Omí Sàbá confirma para o dia 31 de dezembro a realização do cortejo em homenagem ao orixá Iemanjá.

Cortejo reúne adeptos do candomblé no Cais de Areia Branca (Foto: Carlos Júnior)

O babalorixá Noamã Pinheiro da Casa de Cultura de Matriz Africana Ile Ase Dajó Ìyá Omí Sàbá confirma para o dia 31 de dezembro a realização do cortejo em homenagem ao orixá Iemanjá. A caminhada sai às 15h30 da rua Duque de Caxias, nº 362, no centro e vai até o Cais Tertuliano Fernandes, onde os religiosos embarcam em balsas que seguem até a foz do Rio Mossoró, onde entregam oferendas.

Iemanjá é a rainha das águas segundo a crença candomblecista. A caminhada que é tradicional no último dia do ano, tornou-se uma das maiores manifestações da religião de matriz africana em Areia Branca por reunir adeptos e praticantes de outras religiões.

O cortejo é o encerramento da festa do orixá. O início está marcado para o dia 29 as 19h com o 10º Encontro da Mulher, previsto para acontecer na sede do Sindicato dos Servidores Públicos do Município (Sinspumab), na rua Desembargador Filgueira, centro, e ritual público em no dia 30 a partir das 19h na sede da casa.

Histórico

A iniciativa surgiu no ano 2000 quando os religiosos do Ile Ase Dajó Ìyá Omí Sàbá resolveram caminhar pela cidade, encerrando no cais com a entrega de oferendas no encontro do rio com o mar.

Noamã Pinheiro explicou à reportagem que resolveu trazer a tradição para o centro da cidade por questões estruturais e de combate ao preconceito contra a tradição de origem africana.

Com o passar do tempo houve a crescente adesão de outras casas e aumentou o número de pessoas que vão ao cais da cidade para acompanhar o ritual que homenageia a divindade do candomblé.

Ouça entrevista concedida pelo babalorixá para a Rádio Costa Branca FM 104,3 na qual divulga detalhes do evento:



28 dezembro 2015

A Casa de Umbanda Pai José de Aruanda realizou no ultimo dia 22 de dezembro de 2015 a festa do nosso pai Oxalá. queremos agradecer a todos que participaram muito axé pra todos

















 



















OXALÁ

Oxalá é o maior Orixá da Umbanda, estando abaixo apenas de Olorum, Deus Supremo. Foi criado a partir do ar, que havia no início dos tempos, e das primeiras águas, pelo mesmo Deus Supremo, Olorum. Representado por uma estrela de cinco pontas, é sincretizado como Jesus Cristo e representa a paz e a fé. Na umbanda, sua tarefa foi a de criação do ser humano. Ele envia vibrações que estimulam a fé individual, assim como irradiações que geram sentimentos de religiosidade. É aquele que determina o fim da vida de cada ser humano, é o momento de partir em paz. Representa o amor, bondade, pureza espiritual, e tudo aquilo que indica positividade.
Filhos de Oxalá

Os filhos deste orixá são pessoas responsáveis, calmas, tranquilas, até mesmo nos momentos mais difíceis. São pessoas amáveis e pensativas. Marcam sua presença por onde passam, pois possuem a aura de autoridade e poder de Oxalá.

Cores: branco e cristalino

Habitat: praia deserta ou colina

Data comemorativa: 25 de dezembro

Dia da semana: sexta-feira

Ervas: Camomila, Cravo, Coentro, Arruda, Erva Cidreira, dentre outras

Signo: Aquário

Cores da Guia: contas brancas, leitosas ou de cristal

Saudação: Êpa Êpa Babá!

23 dezembro 2015

Ontem, entregamos cestas básicas e frangos a 144 famílias carentes cadastradas em nosso terreiro. Dia maravilhoso cheio de Luz! Muito obrigado à todos que nos ajudaram a realizar esse trabalho. Oxalá os abençoe!

Em Instituto Cultural Confraria dos Pretos Velhos de Umbanda.







Entrega de cestas básicas e frangos às famílias carentes cadastradas.
Esse ano foram entregues 144 cestas básicas e frangos arrecadados com a ajuda de médiuns, assistência e amigos do Instituto Cultural Confraria dos Pretos Velhos de Umbanda. 
Houve um tempo em que não fazíamos esse tipo de exposição, por não julgar necessário. Mas além de ser uma prestação de contas para todos aqueles que confiaram em nosso trabalho, serve de incentivo para outras casas espirituais, onde o princípio é e sempre será a CARIDADE.
Muito obrigado à todos que dedicaram um pouco do seu dinheiro, do seu tempo e muito do seu coração a esse ato de Amor ao próximo!
Que Zâmby, nosso Pai Oxalá e todos os Orixás os abençoe e ilumine hoje e sempre!
Saravá fraterno!
Mãe Zilda, Pai Evandro, Mãe Pequena Carine, Pai Pequeno Édney e toda a Equipe da Tenda de Umbanda Pai Joaquim D´Angola e Exú Tiriri.
Instituto Cultural Confraria dos Pretos Velhos de Umbanda.
Limeira/SP


O Blog http://marianodexango.blogspot.com.br/ parabeniza todos vocês por essa atitude, muito AXÉ para todos.  

16 dezembro 2015

Sentir e estudar a Umbanda ( Paulo Ludogero )


Sentir e estudar a Umbanda

Estava pensando sobre a importância desse assunto.

Tenho 46 anos de idade. Nasci dentro de um terreiro de Umbanda, minha família sempre foi Umbandista e descobri nas palavras de Mãe Saipuna a importância da simplicidade e da humildade, descobri nos gestos da Êre Marizilda a pureza de gestos e de palavras. Ambas entidades que assistem minha mãe Maria Imaculada.

Senti na pele diversas vezes a energia fluir pelo terreiro de meu avô, aprendi com poucos anos de idade a sentir a Umbanda.

Como alguns dizem e fazem questão de dizer, sou antigo, ortodoxo e carrego em mim a essência da Umbanda antiga ou tradicional. 

Carrego sim… Com honra e com amor, vivenciei muitos momentos lindos e rogo a Deus para poder vivenciar mais momentos de alegrias e emoções.

Concordo que é necessário sim conhecer nossa religião, estudar a sua história e entender os fundamentos que estão em nossa ritualística. Mas não podemos perder nossa tradição e substituir o trabalho das entidades. Entender o marafo de Exu, é compreender a ritualística de nossa religião. Concordo que existem médiuns que mal estão incorporados e fazem mal uso do elemento álcool, por isso é necessário estudar.

O estudo reafirma nossa fé e nos dá compreensão do que estamos fazendo antes, durante e após os trabalhos espirituais.

Mas o estudo não consegue fazer com que o médium sinta a Umbanda! E isso não depende, se ele tem um ou mais de 30 anos de mediunidade, se tem estudo ou não tem estudo relacionado a Umbanda.

Sentir a Umbanda é se emocionar com a manifestação do guia chefe da casa, é sentir os pelos da pele se eriçarem, é sentir o coração acelerar! 

É entender o olhar austero do Caboclo…
Se emocionar com a sabedoria dos Pretos Velhos..
Chorar e dar risada com a pureza dos Êres…
Se sentir protegido com a Capa do Exu…
Poder se abrir emocionalmente com a Pomba Gira…

Sentir a energia pulsar em nossos corações com a manifestação dos Orixás…

Para tudo isso o médium, o ser tem que estar com a mente voltada para a evolução espiritual, tem que ter bom coração, tem que perdoar e saber ser perdoado…

Tem que ter a boa vontade de querer mudar seu comportamento e entender que a Umbanda é uma via de evolução, é uma religião, é o religar-se com Deus… 

Todas as entidades nos ajudam a extrair de nosso íntimo o fel dos maus instintos que nos levam a nossas quedas conscienciais, mas para isso temos que querer mudar.

Temos que sentir a Umbanda como ela é!!! 

Estudar a Umbanda e entender como ela é, é Divino. Mas sentir a Umbanda como ela é, é muito melhor!

Temos que unir os dois, mas nunca podemos desfazer dos antigos que aprenderam a Umbanda, apenas sentido-A com o coração.

Essas últimas semanas, durante as festividades de mãe Iemanjá, reencontrei diversos irmãos, conheci pessoas novas e fiz novas amizades.

Discutimos e conversamos muito sobre a Umbanda…

Mas nada se comparou quando os trabalhos começaram, nada se comparou quando fomos ao Mar entregar nossas oferendas e rezar para a Mãe Iemanjá.

Me emociona ao lembrar dos momentos que vivi ao lado minha mãe, meu irmão Edson Ludogero, de todos os meus irmãos de santo, minha esposa Catia Lu, meu filho Renan Ludogero, meus filhos e netos de santo…

Amo a Umbanda e através das pessoas que vivem ao nosso lado, podemos sentir a Umbanda nos tocar, cada um a sua maneira desde que tenha ética, respeito e amor…

Agradeço a todos os meus irmão da Tenda Espirita de Umbanda Santa Rita Cássia, aos meus filhos Viviane Carvalho, Fabiana Esteves, Thiago Esteves, Adérito Simões,Francine Simões por confiarem e levarem seus filhos para que pudéssemos sentir a Umbanda como ela é!

Paulo Ludogero
14/12/2015

14 dezembro 2015

Homenagem a mãe yemanjá realizada na praia grande neste último sábado pelo templo de umbanda vovó catarina e baiano zé do coco.


Homenagem a mãe yemanjá realizada na praia grande neste último sábado pelo templo de umbanda vovó catarina e baiano zé do coco.
Tudo feito com muito amor e axe onde encerramos os trabalhos do ano na vibração de nossa divina mãe.
Agradecemos também a visita de Pai Alexandre Deogum da tenda de umbanda Pai benedito e boiadeiro zé do laço juntamente com seus filhos participando de nossa corrente,sempre bom estar entre irmãos.
E claro a toda corrente do templo pela dedicação e amor por mais um trabalho realizado.
Salve a confraria dos pretos velhos de umbanda!!!





 

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins