26 dezembro 2013

Adeptos de Umbanda e Candomblé farão cortejo e embarcarão para entregar oferendas à Yemanjá 2013



Além dos adeptos das religiões, cortejo e embarque para entrega de oferendas atrai grande público de curiosos e turistas. (Foto: Carlos Júnior/Arquivo)

Uma atividade que se consolida no calendário de eventos do município de Areia Branca é o tradicional cortejo em alusão à Yemanjá, divindade das religiões de matriz africanas que têm inúmeros adeptos nesta localidade.

A iniciativa partiu da Casa de Cultura de Matriz Africana Ilé Asé Dajó Ìyá Omí Sàbá que no ano 2000 saiu em caminhada com os filhos da casa para entregar oferendas no Rio Mossoró. Tímido no primeiro ano, a manifestação de fé foi tomando corpo com o passar dos anos chamou a atenção da sociedade e de uma importante parcela da população que vai ao cais no último dia do ano para homenagear a Mãe D’água ou mesmo para observar o culto religioso.
Religiosos participam de ritual antes de embarcar em balsa com as oferendas a Mãe D’água. 

Para este ano, o líder espiritual do Ilé Asé Noamã Pinheiro já iniciou a divulgação de mais uma Festa de Yemanjá que será iniciada com o 8º Encontro Cultural da Mulher tendo a temática do Abordo a partir de uma perspectiva social e religiosa, no qual palestrantes de diversos segmentos da sociedade debaterão sobre o assunto na próxima sexta-feira (27), a partir das 19h no plenário da Câmara Municipal em evento aberto para toda a sociedade.

Desmistificar a religião de origem africana é um dos objetivos da casa ao promover rituais no meio da rua. Para isso, dentro das atividades está incluindo um Culto em Louvor e Adoração aos orixás do Candomblé em um Xirê Campal, marcado para acontecer no segunda-feira (30), a partir das 19h00 na frente do terreiro, localizado na Rua Duque de Caxias, centro de Areia Branca.

Além dos rituais, a casa promove encontros que debate com diversos segmentos, assuntos de interesse social. Neste ano o aborto será discutido no plenário da câmara no dia 27/12. (Foto: Mariano Silva/Arquivo)

O ponto alto da festa acontece a partir das 16h do dia 31 de dezembro com o Cortejo de Yemanjá 2013 que sairá do mesmo endereço em direção ao Cais Tertuliano Fernandes, onde religiosos embarcarão em uma balsa para a entrega das oferendas, que segundo o babalorixá Noamã Pinheiro, são denominados como Presente a Mãe D’água no leito do Rio Mossoró. “A oferenda é uma forma de agradecer pelas conquistas no ano que se encerra e em pedidos para o ano novo”, explica Noamã.

Neste dia, o Cais Tertuliano Fernandes fica lotado de religiosos, curiosos e turistas que observam o ritual de fé e o embarque dos devotos do Orixá Yemanjá.

De olho na preservação desta tradição e na valorização das manifestações culturais populares a Fundação Areia Branca de Cultura desenvolveu ao longo de 2013, uma série de ações com vistas ao reconhecimento e a legalização das Casas e Terreiros de Cultura de Matriz Africana, considerados como patrimônio cultural e imaterial do Brasil.

agradecer ao o blog http://vozdeareiabranca.com.br/ de Carlos Jr.

25 dezembro 2013

Festa do Nosso Pai Oxalá

A Casa de Umbanda Pai José de Aruanda realizou no ultimo dia 23 de dezembro de 2013

a festa do nosso pai Oxalá. 

queremos agradecer a todos que participaram

muito axé pra todos








































































Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins