31 março 2017

Mariano de Xangó Parabenizar seu Pai Biológico, Augusto Florêncio da Silva.


Hoje e o dia de parabenizar esse grande Homem Augusto Florêncio da Silva meu velho Pai, palavra pequena, mas de um valor inquestionável. Meu grande herói, homem de muita garra, não comparada a qualquer guerreiro, mas sim a um pai vencedor. 

Pai, você é parte do grande mistério que envolve a vida, você dá vida a um novo ser, auxiliando por Deus no Seu grande propósito. É muito difícil falar de você. Talvez, tudo o que eu disser, seja pouco, diante do muito que você merece ouvir. 

Como é linda a palavra "Papai". Todas as letras deste nome, representam um pouco da sua grandiosidade. Paizão, Amparo, Proteção, Incomparável. 

Meus pensamentos lhe buscam a todo instante, pedindo sempre a orientação guardada na memória que você transmite com sua grande sabedoria. Obrigado por sempre ter me ensinado a caminhar de forma honesta. 

Neste dia, reservado especialmente a você, quero pedir a Deus que proteja seus passos, lhe cobrindo de inúmeras bênçãos, ascendendo cada vez mais a chama do amor existente no seu coração de pai. Te amo, meu querido meu velha pai! Parabéns pelo seu dia, meu grande herói!

30 março 2017

O Blog Mariano de Xangó parabeniza neste dia muito especial, uma grande sacerdotisa a Mãe de Santo Francelina Cruz (Mãe Nina da Oxum).

Mãe de Santo Francelina Cruz (Mãe Nina da Oxum)




Homenagear uma mulher não e faceio, imagina Homenagear Dona Francelina Cruz (Mãe Nina da Oxum), uma grande sacerdotisa de Umbanda. Nascida em 1947 ela umbandista que é tem passado sua lição, dentro do catecismo da umbanda, contribuindo, assim, para com a formação religiosa de muitos Irmãos de fé. Ela entrou na religião pela dor quando aos 18 anos de idade, por motivos superiores, chegou até a casa do pai de santo Eurico Cabeceira (in memoriam), de onde saiu curada. Esse fato ocorreu em julho de 1965. A partir de então passou a frequentar o Terreiro de Santa Bárbara (da Mãe de Santo Edwirgens da iansá), ficando lá até o ano de 1979, que por ensejos superiores desligou-se do referido terreiro e se filiou ao Terreiro Guias Unidos que hoje e Casa de Umbanda Pai José de Aruanda, junto com os pais de santos José Jaime de Xangó (In memoriam) e Antônio Cruz de Xangó, formando uma um trio de muita ciência e sabedoria que duro até o mês de abril de 1990 quando Mãe Nina da Oxum volto para o Terreiro de Santa Bárbara permanecendo até o ano de 2014 quando retornou a Casa de Umbanda Pai José de Aruanda e ficando lá até os dias de hoje, Sempre com o compromisso com sua religiosa Umbandista doutrina afro-indígena-euro brasileira, Tendo mais de 45 anos de juremeira e Umbandista e uma mulher de muita ciência, que muito contribui para que a nossa querida umbanda permaneça vivo, Agradecemos também a nosso pai Oxalá, por enviar essa filha da Oxum, com tão tamanha missão de dividir conosco o seu dom de grande mestra dos ensinamentos religiosos.
                    Que seu nome Mãe Nina da Oxum seja exemplo para todos.

Eu vi mamãe Oxum na cachoeira 
Sentada na beira do rio 
Colhendo lírios, lírios ê 
Colhendo lírios, lírios á 
Colhendo lírios pra enfeitar nosso Congá

Parabéns Mãe Nina pelo seu dia que venha muitos e muitos anos.








  
















O Blog Mariano de Xangó parabeniza neste dia muito especial, uma grande sacerdotisa a Mãe de Santo Francelina Cruz (Mãe Nina da Oxum).

A Coordenadora de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Mary Regina, esteve na última quarta-feira (22/03) retornando à Comunidade Quilombola de Grossos, localizada no Município de Bom Jesus, com objetivo de levar as ações de emponderamento feminino e dialogar com a Prefeitura a respeito de programas que atendam a comunidade.





A Coordenadora de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Mary Regina, esteve na última quarta-feira (22/03) retornando à Comunidade Quilombola de Grossos, localizada no Município de Bom Jesus, com objetivo de levar as ações de emponderamento feminino e dialogar com a Prefeitura a respeito de programas que atendam a comunidade.

O Prefeito Clécio Azevedo participou da reunião na Comunidade e se comprometeu a criar uma Coordenadoria e um Conselho de Políticas de Promoção da Igualdade no Município.

Sabrina Lima, Coordenadora de Políticas para as Mulheres da SPM, esteve acompanhando a agenda da COEPPIR e conversou com as Mulheres a respeito do Portal da Mulher do Governo do Estado.

O Secretário Municipal de Agricultura também esteve presente na reunião.

Foi acertado que a COEPPIR entraria em contato com a Coordenadoria de Atendimento ao Cidadão (CODACI) da Secretaria de Estado do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (SETHAS) para levar as ações de Cidadania e Assistência Social.

"Retornamos hoje com a Coordenadora da SPM, Sabrina Lima, e na presença do Prefeito Clécio Azevedo reafirmando o compromisso firmado de tornar a Comunidade Quilombola de Grossos uma referência nos Programas da COEPPIR", declarou a Coordenadora Mary Regina.

29 março 2017

CARTA MAGNA DE UMBANDA - DOCUMENTO OFICIAL PARA A RELIGIÃO DE UMBANDA


Dia 15 de novembro comemora-se o Dia Nacional da Umbanda, pois foi nesta data que Zélio Fernandino de Moraes, através de sua entidade o Caboclo das 7 Encruzilhadas, promulgou o nascimento dessa religião. Apesar da Umbanda ter 107 em nosso país, somente agora foi executada uma Carta Magna, a qual dá as diretrizes fundamentais.

Abaixo segue o texto completo da Carta Magna de Umbanda que será lançada nesta sexta feira dia 13/11/2015, na câmara municipal de São Paulo:


CARTA MAGNA DE UMBANDA

1 - Umbanda é uma religião espiritualista de doutrina afro-indígena-euro brasileira.

2 - É uma religião monoteísta, que crê na existência de um Deus único, inteligência suprema, causa primária de todas as coisas, eterno, onipotente, onipresente, soberanamente bom e justo.

3 - A Umbanda crê e cultua de forma própria os Orixás Africanos, sincretizados com os santos Católicos, guias e mentores espirituais que, como ministros de Deus, zelam e O auxiliam na realização de suas obras.

4 - A Umbanda crê na reencarnação e na incorporação das entidades espirituais, em vidas sucessivas, no aprimoramento espiritual e aperfeiçoamento do ser humano para conduzi-lo a Deus.

5 - O espirito denominado Sr. Caboclo das Sete Encruzilhada, incorporado no médium Zélio Fernandino de Moraes, no dia 15 de novembro de 1908, em São Gonçalo das Neves – RJ, data que reconhecemos como sendo o nascimento da Umbanda, anunciou:

6 - A Umbanda considera a natureza com tudo que ela encerra como obra máxima do Criador, sendo o altar de Deus, o lugar onde se pode com Ele conversar, portanto, preservar a natureza é obrigação de fé de cada umbandista.

7 - A Umbanda é uma religião sincrética fruto da cultura religiosa de três segmentos: Branca do elemento europeu colonizador; Negra escravizada na África para laborar na terra e a Indígena que já ocupava esta terra.

8 - A Umbanda tem liturgia e ritos próprios derivados da diversidade de raças e culturas que a fundamentam. São práticas litúrgicas umbandista
8.1 - A preparação e formação mediúnica e sacerdotal;
8.2 - O Batismo;
8.3 - O Casamento;
8.4 - Os Ritos Fúnebres.

9 - Constituem símbolos da Umbanda:
9.1 - O Hino da Umbanda;
9.2 - A bandeira da Umbanda;
9.3 - Juramento Umbandista.

10 - Sendo a Umbanda a manifestação de espirito para a prática da caridade deverá sempre ser exercida sem a remuneração pecuniária, salvaguardada a sustentação financeira da organização religiosa.

11 - Deve o adepto da religião de Umbanda sempre seguir a ética religiosa e a lei dos homens.

12 - Todo irmão umbandista que desejar fazer parte do corpo mediúnico de um templo deverá prestar o “Juramento Umbandista”.

13 - A Umbanda defende uma sociedade em que todas as religiões sejam igualmente respeitadas, a promoção da tolerância como princípio republicano e a preservação da educação pública laica.

14 - A Umbanda estará sempre de portas abertas para todos.

Justos e perfeitos, os subscritores desta, a qual estará aberta a adesões, reafirmam o compromisso permanente com o engrandecimento da Umbanda e seus valores magnos.


DOCUMENTO OFICIAL PARA A RELIGIÃO DE UMBANDA

Irmãos Religiosos de Umbanda:

Há alguns anos estamos chamando os irmãos para um momento histórico e único em nosso meio. Entendemos que a religião de Umbanda possui uma riqueza ímpar, demonstrada em sua diversidade litúrgica. Porém, o chamado não é para deliberarmos sobre a liturgia das Casas existentes e sim, criarmos uma identidade religiosa que definirá o que somos, respeitando assim, os vários tipos de trabalhos existentes. O pensamento é sempre no coletivo e não apenas em um grupo fechado, fazendo toda diferença neste projeto.

Os temas hoje organizados em formato de documento é a indicação de que não se trata de um apanhado de ideias, e sim, de uma maneira séria de defendermos nossos conceitos.

O intuito de criar o documento está baseado na legitimação e informação em nível organizacional para entendimento social e religioso, fortalecendo a todos os Umbandistas, estabelecendo uma linguagem interpretativa para a sociedade em geral.

O documento intitulado de CARTA MAGNA DE UMBANDA serve como base orientadora para respostas aos estudiosos de teologia, sociologia, filosofia e aos seguidores da religião. É importante frisar que fica disponível a consultas para debates inter-religiosos, onde outros seguimentos poderão entender melhor o que somos; os nossos propósitos e como respondemos assuntos de interesse espiritual, social e humanitário.

O respeito maior deste trabalho está em chamar os irmãos para deliberar sobre a construção deste, que é de benefício a todos, diferente de outras correntes de pensamento que atentaram contra a liberdade de expressão, perdendo oportunidade de criarmos unidade.

Não posso deixar de citar que a versão realizada em novembro de 2015, por algumas federações não é sequer reflexo do documento oficial aqui disposto. Condenamos veementemente qualquer tentativa de monopólio em nosso meio e sempre pediremos respeito às opiniões expressadas nos fóruns já realizados e os que, por ventura, virão.

Este projeto está em pauta desde 2012, com as deliberações por todo o território nacional, contando ainda com encontro internacional realizado em Portugal, na cidade de Leiria, com a participação de líderes da Europa.

Respeitando a diversidade existente em nosso meio, foi determinado que este documento não deverá ser fixo. É necessário que esteja aberto para que sempre seja melhorado, de preferência, a cada dois anos; ficando acertado que todos os temas que foram amplamente discutidos, devem ser respeitados na sua íntegra; sendo criado grupos para as avaliações, caso haja alguma alteração. Mais uma vez chamo a atenção para o pensamento religioso, virtuoso, que levará este projeto para as esferas necessárias, para finalmente termos uma ferramenta de defesa contra o preconceito.

Uma religião que preza a igualdade, respeitando a Declaração Universal dos Direitos Humanos através da Carta da ONU – Organização das Nações Unidas deve ter este documento máximo, a missão de dignificar seus milhares de seguidores, deixando o legado para a posteridade.



Ortiz Belo de Souza – idealizador da CARTA MAGNA DE UMBANDA.

28 março 2017

LANÇAMENTO DA CARTA MAGNA DE UMBANDA NA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO.


Lançamento Carta Magna da Umbanda na câmara dos vereadores de São Paulo! Agradeço a todos os irmãos que estiveram no evento e a todos que torceram por nós!









        
Grupo afoxé filhos do CACIQUE no evento Carta Magna da Umbanda
Click na foto para ver o vídeo.

Lançamento Carta Magna da Umbanda em São Paulo! Ficamos honrados com a presença de nossos baluartes Pai Milton Aguirre, Pai Juberli Varela, Pai Elcio de Oxalá, Pai Aecio, Mestre Marne, Padrinho Juruá. Nossos irmãos Juristas Dr Antônio Basilio Filho, Dr Hédio, Dr Jader, Dr Jose Valter Destefane Mãe Rita, mãe Márcia Okano, pai Charles representando a Atumox Atumox Atumox Portugal, Dra. Ítalo Baratella, Dr.Fernando Binato e a Sra. Vânia da secretaria da justiça do estado de São Paulo. E o nobre vereador Rodrigo Gomes. As rádios A Voz dos Orixás e rádio Umbanda Brasil. O grupo Afoxé filhos do CACIQUE da Mãe Sebastiana e mãe Rita. Ogã Moises com sua grande apresentação, Curimba Filhos de Umbanda do meu irmão Miro todos que muito nos honra! A UMBANDA AGRADECE! Pai Ortiz Belo




Irmãos umbandistas quero chamar a atenção de vcs! Sempre concordei com tudo que vem trazer o melhor para nossa comunidade. Desde o final de 2012, eu junto a outros irmãos tomamos a iniciativa de chamar os religiosos para criarmos um documento denominado de Carta Magna da Umbanda. Sempre tivemos o cuidado de chamar as federações, os terreiros, os ícones e os baluartes da religião. Com este pensamento em prol do coletivo, conseguimos dar passos importantes para a elaboração deste documento para a religião, sempre tendo o cuidado de não entrarmos nas questões litúrgicas e sim definir uma apresentação da religião para a sociedade. Este ano estamos lançando em vários Estados o documento, porém quero ressaltar que este é um passo apenas, pois necessitamos lapida-lo de acordo com o decorrer do tempo,para que possa estar em acordo com as necessidades vindouras. Em 2021 já está marcado um grande CONGRESSO UMBANDISTA, teremos tempo de lapidar ainda mais este documento. Este mês de março 
estará ocorrendo lançamentos em vários Estados, na cidade de São Paulo estaremos lançando dia 25/03/2017 na Câmara dos Vereadores de SP. Contamos com a ajuda de todos, principalmente com as críticas construtivas e a. 
participação valiosa de todas as casas.
 

25 março 2017

No último sábado 21/03, tive o imenso prazer de voltar a palestrar no Fórum do Petrônio, onde a troca de saberes foi de alto nível



No último sábado 21/03, tive o imenso prazer de voltar a palestrar no Fórum do Petrônio, onde a troca de saberes foi de alto nível.

Este fórum, que é coordenado pelo querido professor Moisés, pastor evangélico, que rege este grupo de alunos (onde mais de 70% são de fé evangélica) a mais de 5 anos, me deu a possibilidade de ter uma conversa ampla e aberta sobre Preconceito Religioso e Jurema Sagrada. Foi mágico...

Falei por quase 3h e os mais de 50 alunos e alunas presentes não piscaram os olhos... E fizeram perguntas muito aprofundadas sobe o tema. Fiquei por demais perplexo em ver um grupo de alunos de escola pública tão qualificado para a discussão inter-religiosa com respeito e idoneidade.

Claro que isso é fruto da luta do professor Moisés e seus parceiros como Carlos Vieira, Mestre em ciências da religião, que contribuiu também na discussão. A gestão da Escola também merece os parabéns, pois se demonstrou completamente aberta para esta atividade de sucesso.

Obrigado a Maria Betânia por ter registrado pra mim esta foto, um momento tão interessante e excitante para quem discute religião como eu.

Falei de Jurema à educação nas escolas, de "satanás do inferno" à "Jesus Nazaré", e de intolerância religiosa à vida em coexistência em paz. Foi lindo.

Parabéns demais aos realizadores deste trabalho que merece ter visibilidade nacional pelo pelo valor que tem.

Salve a fumaça! 
Sobô Nirê!

22 março 2017

Esta terça-feira, 21 de março, é o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial. A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1966, em memória à tragédia que ficou conhecida como “Massacre de Shaperville”, em 1960, na cidade de Joanesburgo, na África do Sul.


Na ocasião, 20 mil negros protestavam pacificamente contra a Lei do Passe - que os obrigava a portar cartões de identificação, especificando os locais por onde eles poderiam transitar na cidade - quando se depararam com tropas do exército, que abriram fogo sobre a multidão, matando 69 pessoas e ferindo outras 186.

Além de lembrar a tragédia, a data criada pela ONU passou a ser um dia em que pessoas em todo o mundo protestam contra o racismo e pelo fim da discriminação racial.

Atualmente no RN
Passados 57 anos, ainda vemos resquícios de intolerância racial no mundo e no Brasil, país onde metade da população é negra. O racismo se torna estrutural, institucionalizado e se faz presente em nosso cotidiano, de forma velada ou explícita. O assunto ainda é tabu e seus desdobramentos alarmantes, xenofóbicos e separatistas têm consequências avassaladoras em nossa sociedade.

Com a intenção de mudar essa realidade, destacam-se como ações positivas do Governo do Estado do Rio Grande do Norte referentes ao enfrentamento do racismo: a criação do Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa, a instituição do Núcleo de Estudos e Pesquisas da Igualdade Racial (NEPIR), a criação do Programa "Meu Terreiro é Legal", o planejamento da Política Estadual para os Remanescentes de Quilombos no Rio Grande do Norte e a estruturação da Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (COEPPIR).

Esta data, além de simbólica, se mostra como uma excelente ocasião para colocar em discussão todas essas pautas através de debate e conscientização, em defesa da igualdade racial e social.

Hoje é dia de lembrar o passado e lutar para que situações dessa natureza não continuem acontecendo no futuro. Hoje e sempre.

AS SETE LÁGRIMAS DE PAI-PRETO


Foi numa noite estranha, aquela noite queda; estranhas vibrações penetravam no meu Ser Mental e me faziam ansiado por algo, que pouco a pouco se fazia definir...

Era um quê desconhecido, mas sentia-o, como se estivesse em comunhão com minha alma, e externava a sensação de um silencioso pranto...

Quem do mundo Astral emocionava assim um pobre “eu”? Não o soube, até adormecer... e “sonhar”...

Vi meu “duplo” transportar-se, atraído por cânticos que falavam de Aruanda, Estrela Guia Zambi, eram as vozes da SENHORA DA LUZ VELADA , dessa UMBANDA DE TODOS NÓS que chamavam seus filhos de fé...

E fui visitando Cabanas e Tendas, onde multidões desfilavam, mas, surpreso ficava, com aquela “visão” que em cada um eu “via”, invariavelmente, num canto, pitando, um triste preto velho chorava.
De seus “olhos” molhados, esquisitas lágrimas desciam-lhe pelas faces, não sei porque, contei-as...foram sete. Na incontida vontade de saber, aproximei-me e interroguei-o: fala meu Pai Preto, diz ao teu filho, por que externas assim tão visível dor?

E ele, suave, respondeu: Estás vendo esta multidão que entra e saí? As lágrimas contadas distribuídas estão a cada uma delas.

A primeira eu dei a estes indiferentes que aqui vem em busca de distração, na curiosidade de ver, bisbilhotar, para saírem ironizando aquilo que suas mentes ofuscadas não podem conceber...

Outra, a esses eternos duvidosos que acreditam desacreditando, na expectativa de um “milagre” que os façam alcançar aquilo que seus próprios merecimentos negam.

E mais outra foi para esses que crêem, porém, numa crença cega, escrava de seus interesses estreitos. São os que vivem eternamente tratando de “casos” nascentes uns após outros...
E outra mais distribui aos maus, aqueles que somente procuram a Umbanda em busca de vingança, desejam sempre prejudicar a um seu semelhante – eles pensam que nós, os Guias, somos veículos de suas mazelas, paixões , e temos obrigação de fazer o que pedem... pobres almas, que das brumas ainda não saíram.

Assim, vai lembrando bem, a quinta lágrima foi diretamente aos frios e calculistas – não crêem, nem descrêem: sabem que existe uma força e procuram se beneficiar dela de qualquer forma. Cuida-se deles, não conhecem a palavra gratidão, negarão amanhã até que conheceram uma casa de Umbanda...

Chegam suaves, têm o riso e o elogio na flor dos lábios, são fáceis, muito fáceis; mas se olhares bem seus semblantes, verás escrito em letras claras: creio na tua Umbanda, nos teus Caboclos e no teu Zambi, mas somente se vencerem o “meu caso”, ou me curarem “disso ou daquilo” ...

A sexta lágrima eu a dei aos fúteis que andam de Tenda em Tenda, não acreditam em nada, buscam aconchegos e conchavos; seus olhos revelam um interesse diferente, sei bem o que eles buscam.

E a sétima, filho, notaste como foi grande e como deslizou pesada? Foi a ÚLTIMA LÁGRIMA, aquela que “vive” nos "olhos" de todos os “pretos-velhos”; Fiz doação dessa, aos vaidosos, cheios de empáfia, para que lavem suas máscaras e todos possam vê-los como realmente são...

“Cegos, guias de Cegos”, andam se exibindo com a Banda, tal e qual mariposas em torno da luz; essa mesma luz que eles não conseguem VER, porque só visam a exteriorização de seus próprios “egos”.

“Olhai-os” bem, vede como suas fisionomias são turvas e desconfiadas; observai-os quando falam “doutrinando”; suas vozes são ocas, dizem tudo de “cor e salteado”, numa linguagem sem calor, cantando loas aos nossos Guias e Protetores, em conselhos e conceitos de caridade, essa mesma caridade que não fazem, aferrados ao conforto da matéria e a gula do vil metal. Eles não têm convicção.

Assim, filho meu, foi para esses todos, que viste cair, uma a uma, as SETE LÁGRIMAS DE PAI-PRETO! Então, com minha alma em pranto, tornei a perguntar: não tens mais nada a dizer, Pai Preto? E daquela “forma velha”, vi um véu caindo e num clarão imenso que ofuscava tanto, ouvi mais uma vez...

“Mando a luz da minha transfiguração, para aqueles que esquecidos pensam que estão... ELES FORMAM A MAIOR DESSAS MULTIDÕES...”

São os humildes, os simples, estão na Umbanda pela Umbanda, na confiança pela razão...SÃO OS SEUS FILHOS DE FÉ.

São também os “aparelhos”, trabalhadores, silenciosos, cujas ferramentas se chamam DOM e FÉ, e seus salários quase sempre são pagos com uma só moeda, que traduz o seu valor numa única palavra – a INGRATIDÃO...

W. W. da Matta e Silva (Mestre Yapacani)
[originalmente publicada no livro Umbanda de Todos Nós, 2ª edição (1960) - Livraria Freitas Bastos].


19 março 2017

A Associação das Mulheres de Axé - AMA/RN em parceria com a Articulação de Mulheres Iyagba Orí, realizou neste sábado, 18 de março de 2017, a Ação Social Mulheres De Axé: Cidadania e Fé que aconteceu na UERN - Campus Natal.










  


  

A Associação das Mulheres de Axé - AMA/RN em parceria com a Articulação de Mulheres Iyagba Orí, realizou neste sábado, 18 de março de 2017, a Ação Social Mulheres De Axé: Cidadania e Fé que aconteceu na UERN - Campus Natal.

A ação social foi realizada em alusão ao Dia Internacional da Mulher e contou com serviços de beleza realizados pela equipe do Instituto Embelleze e pela profissional Nadja Mendes, pintura artística com a subtenente Célia, palestras educacionais sobre a importância da liderança feminina ministrada pela Iyalorixa e Juremeira Carla de Bessen, enfrentamento a violência e empoderamento da mulher com a Coordenadora de Políticas Públicas para as Mulheres Sabrina Lima, direitos da mulher com Lívia integrante do Projeto EducaJus, encerrando com a palestra sobre a saúde da mulher e prevenção as ISTs com a técnica Chyrly Elidiane da Área Técnica de Saúde da Mulher da SESAP.

Nosso agradecimento a cada um dos nossos apoiadores que acreditaram e vieram somar conosco em nossa primeira Ação Social, em especial ao Curso de Ciências da Religião da UERN por intermédio do professor João Bosco, que tem sido um grande parceiro e apoiador de nossas atividades, e a Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial por intermédio de sua atual coordenadora, Mary Regina.

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins