16 janeiro 2017

POVO DO ORIENTE Primeiramente devemos esclarecer que dentro da Hierarquia Divina, não consta a Linha do Oriente.



POVO DO ORIENTE
Primeiramente devemos esclarecer que dentro da Hierarquia Divina, não consta a Linha do Oriente, mas sim Povo do Oriente. Linha é a primeira emanação da vontade Divina transformada em Raio Cósmico composta por seres iluminados originados de forças elementais que só comandam o movimento energético em determinadas funções. Portanto são energias que não incorporam em médiuns. 
A Linha de Oxalá comanda as entidades, sob a vigilância das Sub-Falanges, que trabalham para o Povo do Oriente. Esta graduação não diminui o valor das manifestações, existe grande diversificação de tarefas e linguagens trazendo assim o maior risco de se confundir com a importância de Linha.
O Povo do Oriente pode se manifestar com espíritos denominados:
a) Corrente Médica do Espaço, composta por médicos de especialidades diversas, bem como enfermeiros, atendentes socorristas;
b) Cientistas como os geneticistas, biólogos, antropólogos;
c) Astrônomos, astrólogos, estudiosos das estrelas e história que são arqueônomos;
d) Povos nômades, mercadores, ciganos, testemunhas e seguidores de diferentes culturas em suas religiões, usos e costumes;
e) Sacerdotes, padres, monges, pajés, lideres religiosos de diversas culturas e épocas;
f)Músicos, cantores, compositores musicais, de épocas diferentes ou atuais;
g) Mestres que dominam determinadas matérias, professores, conselheiros espirituais, psicólogos, cientistas sociais;
Estas definições são apenas algumas das diversas formas de manifestação no Povo do Oriente.
Em nossa Fraternidade os trabalhos com o Povo do Oriente são apenas de duas formas: 
1) Com o Povo Cigano: Preparamos uma mesa com frutas, ou pães, sucos, flores e ervas. Após a Oração para Santa Sara Kali, são chamadas as entidades com o Hino Cigano. O trabalho é acompanhado por música cigana tradicional ou moderna, muito dinâmico com danças para descarregar a tristeza e desânimo. São feitas leituras de cartas, quiromancia ou leitura de mãos, aplicação de passes purificadores, recomendações espirituais e conselhos, e outras atividades de acordo com a cultura dos ciganos. Após o atendimento de todos, são cantados pontos especiais para a subida das entidades e é feita a oração de encerramento usual. 
2) Com Mestre Gilles: a preparação da mesa é igual a dos ciganos. Com a leitura da Prece para O Povo do Oriente e José de Arimatéia, Mestre Gilles incorpora e define como será o trabalho do dia. Na maioria das vezes é chamado o Povo Cigano, pois não existe incompatibilidade entre as manifestações espirituais, e também é chamada a Corrente Médica do Espaço que ocupa uma sala especial. Mestre Gilles na maioria das vezes aconselha e também passa os ensinamentos sobre Magia Egípcia ou Cabala. O trabalho se desenvolve da mesma forma que o trabalho com os ciganos, bem como é igual o encerramento.
Deixamos claro que essas manifestações do Povo do Oriente são somente uma pequena parte dos rituais existentes. Nossos rituais não devem ser colocados como os mais corretos ou únicos, pois a humanidade possui infinitas formas de conexão com a Divindade, e seria leviano se julgar dono da verdade absoluta. Somos humildes trabalhadores umbandistas que compartilham com outros irmãos o seu aprendizado. Procuramos sempre, o respeito com as diferenças e a prática da caridade.

Salve o Povo do Oriente!

Texto de Mãe Bebel Passos Passos

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins