15 janeiro 2017

Alagoas tem primeiro casamento com efeito civil em terreiro de candomblé Cerimônia foi celebrada pela Ialorixá Mãe Míriam e pelo juiz Carlos Cavalcante


Cerimônia foi realizada na Casa de Mãe Miriam 
FOTO: RICARDO LÊDO - GAZETA DE ALAGO












O primeiro casamento religioso candomblecista com efeito civil de Alagoas foi celebrado na noite desta sexta-feira (16), na Casa de Mãe Miriam. Religiosos e simpatizantes prestigiaram a cerimônia histórica, que representou a quebra de barreiras e oficializou uma vitória para todas religiões de matriz africana. 
"Para mim, posso afirmar que são duas vitórias. Uma como religiosa e Ialorixá e outra como advogada que esteve a frente dessa luta. Poder viabilizar tamanho marco histórico é uma honra", disse a advogada Kandysse Melo, que orientou os noivos na busca por essa conquista. 
Desde 1988, a constituição brasileira permite esse tipo de celebração, mas faltava a regularização dos terreiros. De acordo com ela, as casas de segmento afro estão crescendo e esse foi um grande passo. "Somos uma entidade religiosa como qualquer outra e, legalmente, essa foi uma conquista valiosa", afirmou.
Ao som dos instrumentos típicos do Candomblé, os presentes entoaram cânticos e celebram com fervor a noite que marcou não só vida do casal, mas também a dos adeptos da religião de base africana. A noiva, Simone Rosendo da Silva, de 33 anos, frequenta o terreiro desde os 10 anos e destacou a importância do evento. "Quebramos mais uma barreira. É um momento único e muito especial para todos nós", disse emocionada. 
Noiva Simone Rosende frequenta o terreiro desde os 10 anos
FOTO: RICARDO LÊDO - GAZETA DE ALAGO




















Para o noivo, Idevaldo Fabrício Coelho, de 57 anos, o momento marca o fim de um longo processo. "Fomos atrás da Kandysse para que ela pudesse nos auxiliar. Eu e minha esposa sempre tivemos esse desejo de realizar um casamento no terreiro, e que o mesmo valesse como o de qualquer outra religião. E hoje realizamos esse sonho, acompanhados da Mãe Míriam, que também almejava oficializar um casamento aqui", contou o noivo.
"Estou aqui cumprindo a Constituição. Somos um Estado laico e todas as religiões têm a mesma dignidade e o mesmo valor", afirmou o juiz de direito da comarca de Maceió, Carlos Cavalcante de Albuquerque Filho. 
Casamento foi celebrado pelo juiz Carlos Cavalcante e pela sacerdotista Mãe Míriam
FOTO: REBECCA BASTOS





















Preconceito
Segundo o teólogo e professor Edson Moreira, adepto do candomblé e Ialorixá, essa festa é um acontecimento importante para todas as religiões de matriz africana, que ainda sofrem preconceitos. "O brasileiro, no geral, ainda tem dificuldade em conceber a importância do negro e da nossa história. Eventos como esse são importantíssimos para revelar para a sociedade que não somos uma ceita satânica. Muitos, por falta de conhecimento, acabam julgando nossas celebrações e tem uma visão totalmente distorcida do que é a religião", explicou. 
A Ialorixá Mãe Míriam realizou o sonho de celebrar um casamento em sua casa e espera que, com o passar do tempo, mais pessoas possam entender o verdadeiro significado de sua crença. "É uma satisfação levar a minha religião. Já passei por muitas situações desconfortáveis por conta da minha crença. Já fui chamada de endemoniada e acusada de adorar o diabo", contou.
Mãe Míriam completou dizendo que, por vezes, falta um pouco de estudo e cuidado por parte das pessoas que fazem insinuações negativas. "Adoramos um único Deus. A diferença é que também adoramos a natureza e tudo o que vem dela", finalizou.

Casal realiza 1º casamento civil de AL em um terreiro de candomblé
Cerimônia foi celebrada pela Ialorixá Mãe Míriam e pelo juiz Carlos Cavalcante

Curta a página oficial Gazetaweb no Facebook e @gazetaweb no Twitter.


O blog parabeniza a todos!

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins