18 março 2017

legalização das Casas de Matriz Africana em todo o Rio Grande do Norte.




O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por intermédio da Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (COEPPIR), lançou na manhã do dia 10/03 (sexta-feira) o Programa "Meu Terreiro é Legal" que viabilizará a legalização das Casas de Matriz Africana em todo o Rio Grande do Norte.

"A legalização não resolve tudo, mas, na ilegalidade, as Casas ficam mais vulneráveis e sem poder ter acesso a diversas políticas que o Governo Federal e Estadual disponibilizam. Fico muito feliz que graças a parceria com a UFRN e à OAB conseguimos lançar esse importantíssimo Programa. Estamos hoje inaugurando uma nova era nesse Estado", afirmou a Coordenadora da COEPPIR Mary Regina no ato do lançamento no IFRN Cidade Alta, em Natal/RN.

O Programa "Meu Terreiro é Legal" é operacionalizado pelo Governo do Estado através da Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (COEPPIR), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania (SEJUC), em parceria com a Consej - Consultoria Jurídica e a OAB/RN. O projeto é prioridade da atual gestão, pois ele foca na emancipação das Casas de Matriz Africana.

Estiveram presentes algumas Casas que já estão sendo beneficiadas com o acompanhamento da CONSEJ/UFRN e da OAB/RN na revisão e produção dos Estatutos Sociais. O IFRN Cidade Alta se colocou a disposição para produzir Cartilhas que orientem aos povos de matriz africana quais as vantagens e como a COEPPIR desenvolverá o trabalho e legalização das Casas.

Para participar, as Casas podem encaminhar uma mensagem de solicitação para o e-mail da COEPPIR (coeppirsejuc@rn.gov.br) e agendar uma conversa com a equipe da Coordenadoria.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins