22 março 2017

Esta terça-feira, 21 de março, é o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial. A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1966, em memória à tragédia que ficou conhecida como “Massacre de Shaperville”, em 1960, na cidade de Joanesburgo, na África do Sul.


Na ocasião, 20 mil negros protestavam pacificamente contra a Lei do Passe - que os obrigava a portar cartões de identificação, especificando os locais por onde eles poderiam transitar na cidade - quando se depararam com tropas do exército, que abriram fogo sobre a multidão, matando 69 pessoas e ferindo outras 186.

Além de lembrar a tragédia, a data criada pela ONU passou a ser um dia em que pessoas em todo o mundo protestam contra o racismo e pelo fim da discriminação racial.

Atualmente no RN
Passados 57 anos, ainda vemos resquícios de intolerância racial no mundo e no Brasil, país onde metade da população é negra. O racismo se torna estrutural, institucionalizado e se faz presente em nosso cotidiano, de forma velada ou explícita. O assunto ainda é tabu e seus desdobramentos alarmantes, xenofóbicos e separatistas têm consequências avassaladoras em nossa sociedade.

Com a intenção de mudar essa realidade, destacam-se como ações positivas do Governo do Estado do Rio Grande do Norte referentes ao enfrentamento do racismo: a criação do Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa, a instituição do Núcleo de Estudos e Pesquisas da Igualdade Racial (NEPIR), a criação do Programa "Meu Terreiro é Legal", o planejamento da Política Estadual para os Remanescentes de Quilombos no Rio Grande do Norte e a estruturação da Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (COEPPIR).

Esta data, além de simbólica, se mostra como uma excelente ocasião para colocar em discussão todas essas pautas através de debate e conscientização, em defesa da igualdade racial e social.

Hoje é dia de lembrar o passado e lutar para que situações dessa natureza não continuem acontecendo no futuro. Hoje e sempre.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins