07 janeiro 2015

Policiais civis do Rio terão apoio inter-religioso

Comissão de Combate à Intolerância dará aconselhamento a agentes

Múltiplas crenças. Membros da CCIR e Liliane Lopes (de cinza) reunidos - Gustavo Stephan / Gustavo Stephan

RIO - Budistas, candomblecistas, judeus, católicos, hare krishnas, muçulmanos e adeptos de outras variadas crenças se juntaram à Polícia Civil do Rio em um projeto inter-religioso que terá início ainda este mês. Duas vezes por semana, membros da Comissão de Combate à Intolerância (CCIR) se revezarão em sessões de aconselhamento aos policiais na Cidade da Polícia, no Jacaré, Zona Norte da capital. Os agentes e seus parentes terão apoio religioso também em caso de acidente ou morte. No futuro, o programa deve oferecer palestras e seminários.

- Os agentes se envolvem em muitas ocorrências que causam desgaste emocional. Em alguns casos, eles podem preferir buscar o aconselhamento religioso a um psicólogo - explica a delegada Liliane Lopes, diretora de recursos humanos da Polícia Civil, acrescentando que entre 600 e 700 policiais passam pela Cidade da Polícia diariamente.

Segundo a delegada, o convívio com diferentes crenças terá como efeito mais tolerância:

- O papel da polícia é garantir direitos aos cidadãos, o direto à liberdade religiosa entre eles.

A visão é compartilhada pelo babalaô Ivanir dos Santos, interlocutor da CCIR:

- Podemos tornar seres humanos melhores, e a instituição, mais humanizada. As religiões são voltadas para o entendimento do indivíduo e prezam o respeito ao próximo.

Ele ressalta ainda que os religiosos participantes do projeto não vão praticar doutrinação.

- Estamos levando em conta que o Estado é laico, então esse não é um espaço de proselitismo, mas sim de aconselhamento. A ideia não é fazer propaganda de uma religião. Há participação de todos os segmentos, sem exclusão ou predominância de crença alguma - afirma.

POR DANDARA TINOCO



Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins