22 janeiro 2015

Homenagem a Mãe Gilda marca Dia de Combate à Intolerância Religiosa


Marcando o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, lideranças do candomblé, de outras religiões de matriz africana e do movimento negro depositaram na manhã desta quarta-feira (21) flores no busto de Mãe Gilda, localizado no Parque do Abaeté, no bairro de Itapuã, em Salvador. Instituída em 2007, a data foi criada em memória de Gildásia dos Santos, que morreu há 15 anos por problemas de saúde agravados pela perseguição religiosa, tendo seu terreiro invadido e violado. O ato simbólico organizado pelo terreiro Axé Abassá de Ogum, fundado pela ialorixá, contou com as presenças das secretarias estaduais de Promoção da Igualdade Racial, Vera Lúcia Barbosa, e de Políticas para as Mulheres, Olívia Santana. Também participaram músicos do bloco afro Malê Debalê.

Para Mãe Jaciara dos Santos, filha biológica de Mãe Gilda e atual ialorixá do Abassá de Ogum, a homenagem lembra a luta pela liberdade de culto e respeito às religiões afrobrasileiras simbolizadas no monumento inaugurado há três meses. “O busto é um marco histórico de luta e não só simboliza a morte de Mãe Gilda e o Dia de Combate à Intolerância, mas uma reparação para todo o povo de candomblé, para todas as casas e as ialorixás que ainda sofrem essa perseguição”. A secretária Olívia Santana completou dizendo que "o povo precisa conhecer essa história feita por muitos, mas que tem face, um ícone que celebramos hoje através da imagem de Mãe Gilda de Ogum". 




  




Entre as políticas de garantia à liberdade de expressão das religiões de matriz africana, a Bahia avançou nos últimos anos com a criação da secretaria estadual de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), em 2006, do Centro de Referência Nelson Mandela, que oferece apoio psicológico, social e jurídico a vítimas de racismo e intolerância religiosa, em 2013, e a sanção da Lei nº 13.182/14, que instituiu o Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa. “Após a regulamentação dos decretos, [o estatuto] terá uma amplitude muito grande, sobretudo no debate da questão e de recursos e mecanismos para amparar toda a causa racial e religiosa”, disse a secretária de Promoção da Igualdade Racial Vera Lúcia Barbosa.


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins