10 julho 2014

Seminário: Folhas Sagradas (Nos dias 17 e 18 de julho, a partir das 17h, acontecerá no Museu do Homem do Nordeste)

Nos dias 17 e 18 de julho, a partir das 17h, acontecerá no Museu do Homem do Nordeste, em Casa Forte -Recife/PE, o seminário Folhas Sagradas. A palestra abordará a utilização das folhas em rituais de religiões de matriz africana, na alimentação e em procedimentos de cura por parte de comunidades tradicionais.

A etnofarmabotânica Maria Thereza Lemos Arruda Camargo (SP) fará a conferência de abertura e lançará o livro “As plantas medicinais e o sagrado”.

A programação conta com quatro mesas de debate, com a participação do babalorixá Manoel Papai, do mestre em medicina comunitária e epidemiológica Celerino Carriconde (Cuba), do biólogo Ulysses Paulino de Albuquerque, entre outros

O seminário é realizado pela Aurora 21 Projeto e Produção Cultural com o incentivo do Funcultura, Governo de Pernambuco.

Programação

Abertura

17h – Apresentação do Coral Sítio de Pai Adão

17h30min – Conferência: “As Plantas e o Sagrado considerando seu papel na eficácia das terapias mágico-religiosas” – Etnofarmacobotânica. Centro de Estudos da Religião Douglas Teixeira Monteiro. USP/PUC – São Paulo/SP

19h- Lançamento do livro: “As Plantas Medicinais e o Sagrado” de Maria Thereza Lemos de Arruda Camargo

18/07/2014

8h – Credenciamento e Entrega de Materiais

9h – 1ª Mesa: Folhas Sagradas
Mediador: Dr. Raul Lody – Antropólogo
Babalorixá Manoel (Papai) do Nascimento Costa – Terreiro Obá Ogunté (Sítio de Pai de Adão)
Ojé Antônio Paus do Monte – Terreiro Airá Ibonan
Ogã Felippe Sabinoda Costa – Terreiro Yemanjá Ogunté
Luciani Burichel – Docente em Saúde Coletiva; Sanitarista e Terapeuta Ayurveda

10h30min – 2ª Mesa: Origem das Folhas no Brasil
Mediadora: Profª. Maria Thereza Lemos de Arruda Camargo
Prof. Dr. Bartholomeu Figueirôa de Medeiros (Frei Tito) – Doutor em Ciências Humanas/Antropologia pela UFRJ – Museu Nacional; Pós-doutorado pela UNB
Dr. Ulysses Paulino de Albuquerque – Prof. Associado da UFRPE – Biólogo com atuação em Ecologia Humana e Etnobiologia.

14h30min – 3ª Mesa: As Folhas nos Ciclos da Vida
Mediador: Urian Agria de Souza
Dr. Júlio Braga – Antropólogo e Barbalorixá do Terreiro AxéLoyá – Salvador/BA
PE. Clóvis Cabral – Coordenador do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas. UNICAP

16h – 4ª Mesa: Utilização das Folhas no Cotidiano
Mediadora: Luciani Burichel

Yalorixá Diva da Silva Santos – Terreiro Obá Olossá.
Maria dos Prazeres de Souza (Dr. Prazeres) – Parteira tradicional e hospitalar

Encerramento

17h30min – Apresentação do Coral do Sítio de Pai Adão

Durante todo o seminário haverá uma EXPOSIÇÃO DE FOLHAS pelo Babalorixá Malaquias de Xangô – Terreiro Africano Nosso Senhor do Bonfim.


Para obter mais informações -8858-2606. As Inscrições são gratuitas
.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins