16 julho 2017

A Coordenadora de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Mary Regina, esteve nesta quarta-feira (13/07) na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte participando da Audiência Pública proposta pela Deputada Estadual Larissa Rosado (PSB) sobre o desafio histórico na educação brasileira de conciliar a laicidade estatal com o Ensino Religioso nas escolas do Estado e do país.





A Coordenadora de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Mary Regina, esteve nesta quarta-feira (13/07) na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte participando da Audiência Pública proposta pela Deputada Estadual Larissa Rosado (PSB) sobre o desafio histórico na educação brasileira de conciliar a laicidade estatal com o Ensino Religioso nas escolas do Estado e do país.

A Equipe Gestora do Ministério da Educação (MEC) excluiu o Ensino Religioso da terceira versão da Base Nacional Curricular Comum, documento que serve como referência para todas as escolas públicas e particulares do Brasi. Com isso, diversos profissionais que atuam na área do ensino religioso se mobilizaram para pressionar por uma mudança no documento.

Na audiência, diversas pessoas que atuam na área explicaram que a disciplina é baseada no respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil.

"O momento é importante para se desconstruir uma equivocada e errônea visão sobre o Curso de Ciências da Religião e sobre o ensino religioso em nosso país. É preocupante a atual conjuntura de nosso país em que o ódio, a intolerância e o fascismo estão sendo fortalecidos cada dia mais. Por isso que a COEPPIR defende a construção de uma Política de Paz que combata a intolerância religiosa por meio do diálogo", afirmou a Coordenadora Mary Regina.

A titular da COEPPIR ainda lembrou que está para ser criado pelo Governo do Estado o Fórum Estadual Inter-Religioso para uma Cultura de Paz e Liberdade de Crença (FOIR) que tem por objetivo de estimular a atuação conjunta com igrejas, templos e comunidades religiosas, organizações não confessionais e instituições públicas, em programas de investigação, desenvolvimento e promoção da liberdade religiosa.

Professor e coordenador do curso de Ciências da Religião da UERN, João Bosco Filho, o atual momento do mundo requer que o ensino religioso continue nas escolas do Brasil e contribua na formação dos novos cidadãos.

Fonte: Coeppir RN

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Oração a Pai Xangó

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins